Tag Archives: protetor

Protegendo do sol – ou não

3 fev

O assunto é protetor solar.

Eu sempre fui curiosa, e há muito tempo tenho o hábito de olhar as letrinas pequenas dos rótulos de tudo que me cai na mão. Comida industrializada, cosméticos, produtos de limpeza. Adoro tentar decifrar aqueles palavrões nos nomes dos ingredientes, e entender como as coisas funcionam, qual o princípio ativo, qual a substância que dá determinada textura, determinada cor. E essa mania aumentou depois que comecei a faculdade de química, quando passei a conhecer e manipular algumas daquelas substâncias-palavrão.

Entre os cosméticos que já andei espiando, um dos que mais me intrigam é o protetor solar, e isso já antes de ler o rótulo. Ele é sempre tão caro, tão cheio de mistérios. Por um lado é super-recomendado, e por outro, mal-falado, com histórias de que pode provocar danos à pele, de que não é recomendado para crianças… E , como é um cosmético que a minha geração adotou como sinônimo de saúde, e todos temos tanto contato com ele, resolvi estudar mais sobre isso.

Fique atentoo

Bom, vamos lá. Quando a gente começa a pesquisar sobre os protetores, a primeira grande informação é que existe a diferença entre os protetores solares químicos e os físicos. Vamos a elas:

– O filtro solar físico atua como uma barreira de proteção na pele, que reflete os raios de sol, e por isso é também chamado de Bloqueador Solar. Normalmente os minerais óxido de zinco e dióxido de titânio são o princípio ativo desse sistema de proteção. Como não são absorvidos pela pele, a possibilidade de alergias é menor, e esse tipo de protetor pode ser indicado para gestantes, bebês e pessoas com pele sensível.

O filtro físico é uma maravilha, e muito usado fora do Brasil. Porém aqui a popularidade deles não é muito boa. Isso porque quando começou a ser produzido, por ser muito aderente e esbranquiçado, o filtro deixava as pessoas parecendo fantasminhas. Então, com o advento do filtro químico, todos migraram para ele. Bom, nos últimos tempos com a nova geração de filtros físicos, as coisas estão mudando. Agora coloca-se na composição o óxido de ferro, ou algum outro colorante com cor de pele, e assim usa-se o protetor também como base leve, os chamados BB creams.

– Já os filtros químicos são formados geralmente por substâncias orgânicas. A pele absorve essas substâncias, e as substâncias absorvem a radiação ultravioleta, transformando-a em um tipo de radiação menos nociva para a pele.

Quanto aos protetores químicos, existem alguns componentes que já a algum tempo estão sendo alvos de pesquisa por haver fortes indícios de que causam danos bem sérios à saúde. Disfunções hormonais, mutação de células, alergias profundas, geração de radicais livres são alguns dos  efeitos causados por eles, segundo pesquisas muito bem fundamentadas, de órgãos ligados a pesquisas científicas sobre saúde. Um resumo disso, com vários links interessantes, aqui.

quimico fisico

E, gente, a maioria dos protetores que existem aqui no Brasil é formada por protetores químicos, ou uma mistura entre químicos e físicos. Olha, fiquei realmente com medo. Já a algum tempo ouço falar de uns malefícios que o protetor solar pode causar, mas não imaginava que era tanto. E são muitas pesquisas que comprovam isso, não é apenas um instituto de respeito que publicou. Imagine, o filtro químico precisa ser absorvido pela pele, e então estando lá dentro da célula, ele absorve a radiação, e transforma ela em algo menos nocivo. A reação ocorre dentro das células! E a chance de ocorrer um erro no meio desse trajeto existe, claro.

Bom, outra coisa que descobri é sobre fator de proteção solar. Primeiro a explicação: O FPS é a unidade utilizada para medir o grau de proteção que um filtro solar apresenta contra as radiações UVB e é determinado a partir de um cálculo que inclui os tempos mínimos necessários para detectar queimaduras na pele (eritemas) com e sem proteção. Funciona assim: Por exemplo, se minha pele aceita ficar 6 minutos no sol sem queimar, e eu uso um filtro solar de FPS 20, multiplicando 6×20, tenho 120, que é o número de minutos que eu estarei protegida do sol usando esse protetor. Mas não se baseie totalmente nisso. Temos o hábito de usar muito menos protetor do que o recomendado, o que não deixa a pele com toda a proteção que o filtro proporciona (a recomendação é de passar o equivalente a uma colher de chá no rosto, e a uma xícara de cafezinho no corpo).

Bom, descobri que para fatores acima de 30, pouco muda na porcentagem de proteção efetiva. Segundo o Food and Drug Administration (FDA) – órgão norte-americano que fiscaliza medicamentos e alimentos – um FPS 30, aplicado corretamente, oferece quase 96% de proteção.  E acima disso, a proteção extra é mínima. Um FPS 50 irá oferecer 98%, e o 100, 99%. E quanto maior o fator de proteção, mais pesada é a formulação, maior a quantidade daqueles componentes que falei acima. Maior o preço também. É de se pensar.

E agora faz sentido a recomendação do dermatologista da minha mãe, que falou para ela não aumentar o FPS do protetor que ela usa, mesmo após a descoberta de um melanoma. De repente não é sempre a falta de proteção solar que causa  câncer de pele…

Badger-spf-30-chart

Há também a diferença entre a proteção contra raios UVA e UVB. A radiação UVA é a responsável pelo bronzeado e, apesar de não causar queimadura imediata e vermelhidão, como a UVB, penetra mais profundamente na pele. E ao contrário da UVB (que é mais intensa entre 10h e 16h), a radiação UVA é constante durante todo o dia e tem o poder de atravessar vidros (de automóveis, janelas…). Já a UVB é quem estimula a produção de melanina e de vitamina D pelo organismo, fatores positivos. E a UVB ainda induz o aparecimento de pintas escuras e é a responsável pelas queimaduras que deixam a pele vermelha após longos períodos de exposição. Porém, ambas causam o envelhecimento precoce da pele e câncer nesse órgão. Então, ao comprar protetores solares químicos (99% do que existe no mercado brasileiro) é necessário prestar atenção nos dois graus de proteção. Desde 2012, no Brasil, a ANVISA determina que o grau de proteção UVA deve ser de pelo menos 1/3 do FPS UVB (que normalmente é o que aparece em destaque no rótulo).

Sunscreen-ProductsHá também a radiação UVC, que apesar de bem danosa ao organismo, é completamente filtrada pela camada de ozônio. Mais um motivo para cuidarmos do nosso planeta. Aqui vale lembrar que a radiação UVB está aumentando na superfície da Terra, e isso por causa da diminuição da camada de ozônio.

O estudo foi bem esclarecedor, e minhas descobertas me preocuparam bastante. Não sei se estou preocupada a toa, se fiquei impressionada demais com as coisas que encontrei nessa pesquisa. Mas o filtro solar químico é um artigo que vai sair da minha listinha de cosméticos. Estou planejando um substituto, mas isso já é outro assunto.

Bom, esse post não é uma campanha pela abolição do uso de protetor solar, apenas uma descoberta pessoal que eu quero dividir. Espero que tenha sido útil.

Beijinhos,

Cris.

Alguns sites que visitei para escrever: abcdasaúde, ecycle, beleza&saúde, significados, Química Nova.