Nascido das cinzas – Sabão ancestral

5 ago

Olá! Vim hoje falar da gratificante experiência que tive ao fazer o antigo sabão de cinzas.

Há alguns anos tomei conhecimento da existência desse sabão feito somente com cinzas, gorduras e água. Sim, só isso. E funciona!

Primeiro um pouquinho de história.

Esse é o primogênito, a primeira espécie de sabão que existiu. E, como muita coisa nesse mundo, ele foi feito por acaso. Algumas histórias contam que os humanos se aperceberam dessa criação em altares de adoração, outras histórias falam que o “descobrimento” do sabão remete ao início do costume de ingerir carne. Bom, nas duas versões, o princípio foi o mesmo: a gordura de animais mortos (em sacrifício ou para saciar a fome) se misturava às cinzas das fogueiras e acabava formando uma pasta com poder de limpar os cabelos, os utensílios, e tudo mais que estivesse gorduroso.

Apesar dos incontáveis anos, e das outras tantas técnicas de saboaria, os sabões pretos feitos de cinza ainda hoje são utilizados, e muito conhecidos por sua incrível capacidade de fazer bem pra pele.

O clássico sabão preto marroquino, usado em spas por todo o mundo é feito a partir de cinzas, azeite de oliva e da própria azeitona esmagada. É considerado um esfoliante inigualável. Vem em potinhos, e tem a textura pastosa.

Sabão marroquino

Sabão marroquino comercial

Uma pasta que quase faz milagres. No Marrocos ainda se encontra esse sabão feito de forma extremamente artesanal, e vendido à granel nas feiras.

Sabão marroquino na feira

Sabão marroquino na feira

Há também o sabão preto africano, que é feito com óleo de palma, palmiste, coco, mel e cinzas de palmeira, bananeira e de casca de cacau. Esse sabão possui ferro e vitaminas A & E por essa composição e é usado também como shampoo e como máscara para o rosto: um item de beleza!

Sabão preto africano

Sabão preto africano

Independente de onde venha, o sabão feito a partir de cinzas é boníssimo para a pele. Extremamente suave. Incomparável. A cinza é o componente alcalino que produz a saponificação das gorduras, a base forte necessária para o processo. Ela faz a função que vemos normalmente exercida pelo NaOH, a soda cáustica. Essa substituição torna o sabão muito mais delicado, beneficiando muito a pele.

Agora, a minha história com esse sabão.

Pesquisei bastante, vi que as formulas são um tanto incertas, e li várias coisas divergentes sobre a manufatura. Com isso, e com dicas de quem já fez, tirei algumas conclusões e me aventurei, ainda na incerteza.

A primeira coisa que se descobre é que não existe receita! Talvez por isso eu tenha demorado uns quatro anos para pôr em prática isso.  Tá, não existe receita porque cada cinza é diferente. Cada tipo de madeira, ao ser queimada, produz cinza com uma certa porcentagem de basicidade, que vai afetar na saponificação.

É bem importante que a cinza escolhida seja confiável, de madeira sem nenhum tipo de pintura ou tratamento, e sem cinzas de outras coisas (muita gente aproveita o fogo pra queimar lixo, se liguem!). Tenho a sorte de conhecer uma pessoa sensacional, que vive num sitiozinho, planta tudo orgânico e queima só madeira de poda das árvores no fogão à lenha. Dona AnA, beijão pra senhora!

O que fiz foi coar a cinza em um pano grosso, como se coa café, mas com água em temperatura ambiente. Há quem diga que se deve fazer furos num balde, socar a cinza lá e deixar a água “lavar”, há também a técnica de ferver a cinza com água e simplesmente separar o líquido depois. Bom, escolhi aquele jeito porque me pareceu o mais prático.

Decoada - de coada

Decoada – de coada

A essa água se dá o nome de decoada, ela é rica em hidróxido de potássio, a base forte necessária para fazer o sabão. Como falei, não há receita, mas para terem uma ideia eu obtive 9L de água de decoada a partir de 1,5kg de cinzas.

O próximo passo é o fogão. E deve-se ter um adicional de paciência. Nessa receita usei 250g de gorduras: 150g de óleo de palmiste e 100 de manteiga de cupuaçu. Sabendo que esse sabão não iria ficar tão duro nem não espumoso quanto os sabões feitos com soda, quis aumentar um pouco essas características com a escolha da gordura. Apesar de que essas não são características que definem um bom sabão! Falarei disso mais tarde.

Nem tudo que parece brigadeiro é.

Nem tudo que parece brigadeiro é.

Bom, resumindo: coloca-se a gordura em uma panela (que não seja de alumínio) no fogo e vai se adicionando aos poucos a água decoada. Usei os 9L que consegui e teria colocado mais se houvesse, porque não estou bem certa de que foi suficiente.

O ponto se define pegando um pouquinho para lavar as mãos. Se não tiver pronto ainda vai se comportar como margarina, só vai melecar. Se tiver pronto, vai promover uma limpeza bem suave, com poucas espuma, mas uma sensação bem boa. E é isso. Simples assim.

O detalhe é que, no meu caso, a tal panela ficou 20h no fogo. Mas ao menos dá pra desligar e continuar no dia seguinte. Aqui foram 4 dias em função. Foram três para preparar a decoada e cozinhar e o quarto dia apenas para perfumar e colocar nas forminhas.

Forminhas provisórias cheias

Forminhas provisórias cheias

Bom, agora é esperar alguns meses para que esse sabão seque e possa ser usado como sabonete em barra. Também se pode usar assim, em pasta, sem problemas. Hoje recebi uma dica bem legal: Como esse sabão é danado para secar, é preferível que fique em formas pequenas e de madeira, ou outro material poroso, para facilitar a secagem.

Olha, eu sou uma pessoa bem paciente, mas confesso que foi difícil. A forma de fazer é super simples, mas bem trabalhosa. A decoada demora, e faz muita sujeira. No cozimento, se botar muita água passa por cima da borda da panela, se botar pouca, queima. Na hora de enformar é uma melaceira, porque a massa fica grudenta, e é difícil de entrar na forma.

Apesar de tudo, é extremamente gratificante! Ver que de simples cinzas se faz um sabonete maravilhoso faz valer a pena o esforço. E esse sabonete é realmente especial. Tive o privilégio de conhecer o sabão de cinza através de mãos habilidosas e pude conhecer a suavidade da limpeza que ele promove. Dona AnE, beijão pra senhora!

Bom, acho que deu pra perceber o quanto é especial esse sabão. Então, por favor, preste atenção aos detalhes ao botar isso em prática. Obtenha cinza de confiança, limpinha. Escolha bons óleos, de qualidade. Não use NaOH para acelerar o processo, isso destrói a característica primordial do sabão. E perfume com óleos essenciais ou compostos totalmente naturais, de procedência garantida; graça nenhuma jogar uma essência sintética fedorenta num sabão especial assim, né?

Fiz o sabão no meu fogão normal de casa, à gás. Mas acredito que, tendo um fogão à lenha aceso no inverno para esquentar a casa (e já produzir cinza), e um tacho grande que possa ficar por ali, seja mais fácil e barato fazer esse sabão. Além de poder contar com as qualidades mágicas do fogão à lenha, que faz as melhores comidas, e deve também fazer o melhor sabão!

E por aí, não bateu a vontade de conhecer esse sabão fabuloso?

 

Algumas de minhas pesquisas para esse artiguinho foram aqui, aqui, aqui e aqui.

 

Anúncios

25 Respostas to “Nascido das cinzas – Sabão ancestral”

  1. Marian 5 de agosto de 2014 às 20:36 #

    Muito orgulhosa com teu capricho, estudo e paciência!
    Bjs

    • Cris 5 de agosto de 2014 às 20:52 #

      Ora, ter uma mestra orgulhosa de mim me faz ter um orgulho do tamanho do mundo.
      Muito obrigada mesmo!

      • Ane* 6 de agosto de 2014 às 9:09 #

        Isso, Cris, é assim que a banda toca.
        estudar, matutar e por mãos à obra. E a obra é sempre um luxo!!!

      • Cris 6 de agosto de 2014 às 11:27 #

        É, to aprendendo isso. Com dedicação e estudo até borralho vira coisa fina. Obrigada, Ane*

  2. Jaqueline Melchior 11 de agosto de 2015 às 11:41 #

    Oi Cris! Adorei o blog, amei os artigos e amei ainda mais te conhecer! Pois que coloquei a mão na massa (já que recebi a informação) e me botei no fogão a lenha. Estou preparando o primeiro lote de sabão de cinza. Te passo como se deu a minha experiência! Grande beju! Gratidão Imensa!

    • Cris 19 de agosto de 2015 às 15:38 #

      Oi, Jaque! Que bom te ter por aqui! Aguardo notícias dos teus testes por aí. Beijos!

  3. pinkareta 12 de agosto de 2015 às 16:04 #

    Gostei muito do seu artigo. Ando curiosa para aprender sobre sabão caseiro. Obrigada.

    • Cris 19 de agosto de 2015 às 15:39 #

      Olá, seja bem vinda! Fique a vontade para pesquisar por aqui…

  4. Apolonia Batista 22 de setembro de 2015 às 18:51 #

    Incrivel!! Eu sempre quis experimentar, botar mão na massa… Na fazenda da minha avó, eu tinha 6 anos e vi tudo!! agora relembrando, fiz as cinzas no meu sitio, e estou com um tacho no fogão a gaz. O prazer é enorme, fazendo meu próprio sabão, com produtos naturais!! Grata amiga!

    • Cris 22 de setembro de 2015 às 22:30 #

      Ai, que bom!! Força no braço, paciência e determinação! A compensação é enorme depois.
      Depois volta pra falar como foi. Abraço!!

  5. Irany 4 de fevereiro de 2016 às 2:26 #

    Olá!Gostaria de aprender mais.Vc já pensou em cursos online?Me interessa!

    • Cris 1 de março de 2016 às 0:03 #

      Oi, Irany. Estou me especializando mais, pra ter conhecimento pleno para dar cursos. Quando surgir te chamo. Obrigada pelo interesse!

  6. yvypora 27 de março de 2016 às 11:08 #

    Oi, Cris
    Muito bom!!! e gostoso.
    Teu modo de postar e os conteúdos… o máximo!
    Grande abraço… aprendi muito.
    Jorge

    • Cris 24 de abril de 2016 às 21:47 #

      Oi, Jorge e Su! Bom ter vocês por aqui. Entrem, a casa é nossa! =)

  7. Márcia 24 de abril de 2016 às 20:45 #

    Vou tentar fazer na próxima semana e depois eu conto como ficou.

    • Cris 24 de abril de 2016 às 21:49 #

      Oi, Márcia! Que bom saber que ficaste empolgada pra tentar também. Fico aguardando as tuas impressões. Um abraço!

  8. ELINE DIAS MEIRA 4 de maio de 2016 às 11:35 #

    Cris, estou feliz. Você me apresenta as informações mais fidedignas para preparar sabão verdadeiramente natural à base de cinzas. Sem soda caustica.
    Muito trabalho para encontrar. Sugestão: palavras que usei para pesquisar:sabao natural com cinza sem soda caustica. gratidão! Encontrei hoje e já estou preparando o sabão.

  9. Eline Dias Meira 4 de maio de 2016 às 12:04 #

    Cris, é uma satisfação chegar no seu ambiente, bonito, confortável e com informações reais, de quem estudou e praticou. Demorou para encontrar! Encontrei com as palavras: sabao natural com cinza sem soda caustica. Encontrei hoje e já estou fazendo sabão! Muitas dúvidas! Ter um email será encantador. Estou à disposição para quem desejar auxilio.Temos orientação de uma medico de eficácia em relação aos ingredintes utilizados. O site dele: luizmeira.com

    • Cris 4 de maio de 2016 às 16:49 #

      Oi, Eline! Com o tempo descobri que não adianta muito saber muitas coisas e guardar a sete chaves. Além do meu curso de química, que me dá muita base, tenho estudado muito em livros antigos, muita coisa na internet também. É preciso filtrar tudo isso, ver o que realmente nos serve, e já que está tudo aqui, pronto, pesquisado, aprovado, por que não dividir? São as minhas experiências, e dividi-las aqui pra que mais gente possa aproveitá-las é muito gratificante.
      Seja bem vinda. Fique a vontade aqui. E me conta depois como foi a experiência!

  10. Eline Dias Meira 4 de maio de 2016 às 21:49 #

    olá Cris! A saponificação acontece aos poucos ou inicia após muitas horas no fogo? O meu ficou 7h no fogo e continua não saponificada. Vontade de ver a gáua decoada. Coei num pano, mesmo assim, passou parte da massa da cinza.

    • Cris 26 de julho de 2016 às 0:17 #

      Eline, o meu sabão ficou três dias no fogo. É assim mesmo, demora bastante. E sim, a água que passa fica meio “sujinha” mesmo, é normal. O sabão ficará com essa cor também.

  11. Shirley 25 de julho de 2016 às 16:11 #

    Oi Cris, cheguei aqui atrás do sabao de cinzas e eu como vc já vi muitas receitas.
    Tenho uma dúvida. Para fazer um sabao para uso dermatológico eu devo usar óleo novo?
    Óleo novo, saponifica? Grata

    • Cris 26 de julho de 2016 às 0:15 #

      Oi, Shirley. Sim, na pele usamos só óleo novo, nada de usar óleo de fritura. E vai saponificar sim, ele vai estar perfeito pra sofrer essa reação quando entrar em contato com uma base forte.

  12. Marcos Kimiaqui Matsumoto 22 de dezembro de 2016 às 6:09 #

    Olá Cris! Parabéns pelo trabalho, excelente. Possuo um canal no YouTube e gostariamos de saber se poderia utilizar alguns dados deste seu trabalho, principalmente 3 ou 4 fotos para ilustrar um trabalho que estamos fazendo sobre sabão de coada de cinzas. É claro mencionando a fonte do seu Blog. Ficamos no aguardo. sucesso!!

    • Cris H. Corrêa 23 de dezembro de 2016 às 22:30 #

      Oi, Marcos. Pode usar sim, claro. Minha escola tambem foi a internet, bora dividir o conhecimento. =D
      Depois manda o link

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: